domingo, 31 de janeiro de 2016

Filhos e pais - Pensamentos soltos

Nós nascemos e passamos logo a ser... filhos, certo?
E no nosso íntimo esperamos ser sempre os filhotes mimados, amados, e protegidos, em quem os nossos pais doses enorme de amor toda a nossa vida. Que, se a vida nos pregar uma partida, o nosso colo esteja lá, que quando não sabemos bem o que fazer temos o pai e a mãe para com a sua vivência nos dê aquele empurrão que só eles sabem fazer. E, quando os nossos pais não estão lá sentimos um vazio e estamos sempre desertos que eles voltem a casa, que sabemos que lá temos o nosso canto, protegido de tudo e de todos. Mesmo quando somos adultos, casados ou não, com filhos ou não, inconscientemente ou não esperamos sempre quele abraço, aquele mimo a que sempre nos habituaram os nossos pais. No fundo queremos aquela atenção, aquela comida que mais gostamos, porque eles sabem e fazem para nós, queremos tê-los ao pé de nós para nos mimaram, no dia em que fazemos mais um ano de vida, e eles mais que ninguém têm esse dia gravado e comemoram contigo com o maior orgulho e emoção.
O que não estamos mesmo preparados é para trocar de lugar com eles, pois não?

Mas isso um dia vai, se tudo correr bem, acontecer. Eu dou comigo muitas vezes a pensar nestas coisas e porquê?
Eu tenho uma sorte enorme de ainda ter uma avó, ela tem 91 anos e eu adoro-a e embora ela esteja longe de vez em quando falo com ela pelo Skype e sei que sou uma privilegiada em ter quase 44 anos e ter ainda uma avó. Ela está em casa dos filhos quem tomam conta dela, dão-lhe bem porque as forças já não são muitas, e fazem tudo por ela. Tenho um orgulho enorme nos meus tios e pais por tomaram tão bem conta dela! E...quando for a vez de eu tomar conta dos meus pais? Estarei preparada para esta tarefa?
É difícil aceitar que os nossos pais envelhecem! Entender que começam a existir pequenas limitações, que não são nem preguiça, nem maldade, é assim...eles também envelhecem.
Aceitar que temos de repetir a mesma coisa, porque eles não ouviram bem, e por vezes nem é a surdez que os afeta, mas é o seu cérebro que está distraído.
Demora para entender que eles já não são os nossos maiores pilares, que são eles que precisam de nós. Custa pensarmos, "não lhes vou dizer isto porque se para mim é um problema para eles vai parecer uma coisa bem maior", e começamos a ser mais calados para não os preocuparmos demais. Passamos a filtrar as informações que lhes passamos, por amor...."Está tudo bem? Claro que está!" Mas não!
Bem, eu tenho pouca diferença de idade para os meus pais, apenas 20 anos, e vou acabar por envelhecer com eles. Será que eu vou ter a capacidade de fazer por eles o que fazem pela minha avó? Não sei...não tenho maneira de saber. Porque se olhar para a vida que tenho hoje, seria impensável ter um ou dois "velhotes" a meu cargo. Não poderia deixá-los 12 horas sozinhos sem ninguém em casa com todos os cuidados que os idosos necessitam. Será que...
Não quero pensar nisso ainda, mas são pensamentos que de vez em quando me passam pela cabeça e me inquietam um pouco.
Por enquanto ainda não tenho de me preocupar com isso porque eles são mais ativos que eu e estão com menos de 65 anos, estão bem, mas e daqui a 10 anos? Como estarão?
Isto tudo para dizer o quê? Se têm pais e avós mimem-nos (a não ser que a vida vos tenha separado por variadíssimas razões) enquanto eles estão aqui e entendem e percebem que o vosso amor por eles é incondicional e que estarão ali para eles o mais que puderem e vos for possível!
Beijos
Borboleta Vermelha

22 comentários:

  1. Lindo e uma grande verdade. Estou sem palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada...são pensamentos que me assaltam de vez em quando!

      Eliminar
  2. Que lindo é uma grande verdade .. beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Pois é amor, o que disseste aqui já eu pensei muitas vezes. E da pessoa que eu mais sinto falta por estar longe é a minha avó, quem me dera poder estar ao pé dela e a mimar muito. Nem quero pensar como vai ser um dia que ela vai precisar de mim e eu não vou estar lá para ela. Dói me tanto cá dentro sempre que penso nisso...

    ResponderEliminar
  4. Pois é amor, o que disseste aqui já eu pensei muitas vezes. E da pessoa que eu mais sinto falta por estar longe é a minha avó, quem me dera poder estar ao pé dela e a mimar muito. Nem quero pensar como vai ser um dia que ela vai precisar de mim e eu não vou estar lá para ela. Dói me tanto cá dentro sempre que penso nisso...

    ResponderEliminar
  5. A lagrima rolou pela minha face... Obrigado por nos fazeres pensar no que, tb no meu caso, e algo que me tormenta... Estou longe da minha mãe... Pai infelizmente ja nao tenho, e graças a Deus que Ele o levou para junto dele (o sofrimento em que vivia ja nao era leal (cancro)) mas durante a minha estadia por terras francesas, principalmente desde que o meu filhote nasceu tento mima-los (neste caso a minha mae) todos os dias... Um telefonema nao custa nada e é o minimo que posso fazer... E mais do que poder ou nao cuidar dela na mais extrema velhice, que sei que nao vou poder,talvez a minha irmã mais velha o possa fazer e sei que o fará,preocupa-me mima-la e "cuidar" dela todos os dias com um "ola mãe!como estas? Passastes bem o dia.... Beijinhos, boa noite e ate amanhã" enquanto temos ca quem sempre se dedicou e dedica a nos e o minimo que eu posso fazer mas que reconforta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo meu anjo.
      No meu caso...sou só eu que cá estarei e os meus filhos se tudo correr bem. e faz-me pensar! Obrigada linda

      Eliminar
  6. Adorei o que escreveste. Eu tomei conta do meu pai antes dele ter falecido e se pode tinha feito de novo nao ia abadunalo naquela altura. Mas tento mimar a minha mae ja nao que nao consegui mais pelo o meu pai faço quando a minha mae esta comigo. Quase chorei com o que escreveste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos de cuidar dos nossos, não é linda?
      Eu sei que te deve ter tocado...percebo bem porquê! Beijo grande

      Eliminar
  7. Adorei o que escreveste. Eu tomei conta do meu pai antes dele ter falecido e se pode tinha feito de novo nao ia abadunalo naquela altura. Mas tento mimar a minha mae ja nao que nao consegui mais pelo o meu pai faço quando a minha mae esta comigo. Quase chorei com o que escreveste.

    ResponderEliminar
  8. :( sabes ? eu não gosto nem de pensar nessas coisas...
    nem pensar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu...mas faz parte da vida e faz-nos pensar!!!
      Beijo Maria João!

      Eliminar
  9. Não tenho palavras para responder a este pensamento... Beijo no coração ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu entendo-te muito bem!
      Um beijo no teu também minha doce amiga 💞

      Eliminar
  10. Fikamos sempre sem palavras pois sao koisas ke doem mto. Ver partir alguem ke amamos é doloroso... Mas a vida é mesmo assim uns riem outros xoram... por ixo eu digo amem o proximo é mandamento de Deus... Portanto facam o bem antes ke seja tarde demais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso Lili. Temos de cuidar, amar e "estar lá" enquanto a vida nos permite...depois é tarde demais 💞

      Eliminar
  11. A vida é mesmo assim,todos se formos vivos vamos ser velhos. Não são situações faceis de lidar, o importante e fazermos tudo o que é possível por eles. Impossíveis não conseguimos.Eu sei porque já não tenho Pais, o Pai foi fácil porque estavam separados, a Mãe sim foi muito complicado em todos os sentidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entendo o que disseste linda!
      Obrigada pelo teu testemunho! Beijo

      Eliminar
  12. Li e reli porque gostei imenso destes pensamentos! Eu também faço diferença dos meus pais de 20 anos. Graças a Deus ainda estão no activo mas com algumas limitações já porque a vida foi dura para eles. Infelizmente já não tenho avo materna mas tenho avô e avó paterna e esta sim só tem o meu pai mas não quer que tomem conta dela. As vezes também penso como tu se terei capacidades de fazer o que a minha mãe principalmente fez por mim. Eles estão a apenas 110 km de distancia mas as dificuldades só nós permitem estar 1 vez de 2 em 2 meses e separei-me dos meus pais a 8 anos e ainda custa muito porque a minha mãe faz-me imensa falta. As vezes dou comigo a ligar-lhe 4/5 vezes por dia! E acho que não é suficiente! E quando perguntam esta tudo bem? O amor é tão grande e já me conhecem tão bem que não vale a pena mentir porque ate no tom de voz eles percebem. E com o amor que tenho por eles sim acho que ia buscar forças onde não tenho para cuidar deles!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meus estão no ativo também, mas estão tão longe de mim!
      Mas se tudo correr bem, daqui a 1 ano e pouco já estarão bem perto. E é bem como dizes, só o tom de voz e a maneira de escrever eles sabem se estou bem ou não!! Um beijo e obrigada por perderes um bocadinho de tempo a leres os meus "delírios"

      Eliminar